Bom, faz bastante tempo que não venho aqui deixar alguma reflexão pessoal minha sobre qualquer coisa. Enfim…

2015 foi um ano que me testou de diversas formas e cara… Quantas provas de fôlego… Foram várias, porém em situações bastante semelhantes umas das outras. Tudo em boa parte envolvia a suposta ansiedade que pra mim ainda era pouco conhecida no final de 2014. (…)

Well, well, well… Eu conheci uma pessoa, que virou meu amigo, alguém em que eu acreditava ser uma pessoa de bom coração… Quando menos vi, aquela pessoa se tornou um parasita na minha vida. Alguém que só estava perto, quando precisava de algo ou queria algo que eu certamente estaria disposta a dar. Afinal, eu sempre quero dar o que eu posso – às vezes o que eu não posso também – para as pessoas de quem eu gosto.

I got so fucked up… You guys can’t even imagine how fucked up my mind was…

Damn.

Fiquei presa nessa amizade que só me sugava e que eu tentava por na minha cabeça que tudo que eu estava começando a achar de ruim era coisa da minha cabeça, but not. It was all real.

1 ano e 5 meses vivendo nessa situação, que na forma mais enxuta que eu pude resumir pode ser interpretada como uma bobagem para uns, talvez, ou fazê-los vir com o pensamento de “qual motivo de ter se mantido nisso por tanto tempo se bem não lhe trazia?”.

Eu só sei que algo, que talvez tenha sido “esperança das coisas boas ficarem em destaque nessa relação” ter sido um dos motivos pra tal persistência.

Algo claramente me prendia. Talvez uma fé que eu inventei pra não ter que ir embora, pois não gosto de ir embora. Odeio despedidas com todas as forças, mas eu tive que ir. Eu me forcei a ir embora…

Tentei fazer de tudo pra ajudar a pessoa querer ser alguém melhor, mas a mesma não queria… E não podemos fazer nada por quem não quer e se diz impossível de mudar.

Então, com o fim de minha “esperança” e “fé” eu tive que sair daquela prisão que tanto me sugava de diversas formas.

Eu tive que ir.
Sem desculpas.
Eu tive mesmo que ir.
Eu não queria, mas ele me fez ir, inconscientemente me disse pra ir.
Foi o certo a se fazer. Abandonar esse navio e nadar de volta para a terra firme em busca de salvação.

(…)

Estou em terra firme contemplando as ondas do mar quebrando na areia. Contemplando o horizonte do meu futuro incerto, porém com o coração ainda se recuperando do esforço feito.

Logo logo, tudo se renovará. E na busca de sempre melhorar o meu eu e de sempre buscar aprendizado nas coisas que vivo, essa história será mais uma na minha vida em que irei levar apenas o aprendizado que tirei dela.

E é o que acho certo a se fazer, tirar aprendizado das coisas ruins que nos acontecem. Transformando toda angústia em sabedoria.

image

Anúncios

after the rain, the rainbow appears.

Depois de um sonho que tive, realizei que de qualquer forma temos que abandonar o passado. Sim, eu sei que todo mundo deve ser ciente disso, mas eu meio que nem liguei de deixar um “certo” passado para trás. Então depois desse sonho (que me trouxe uma sensação ruim e aflorou também minha insegurança naquele momento), resolvi deixar para trás o objeto que me fazia lembrar de um tempo bom e cheio de sol, que depois foi escurecido por um tempestade, mas que hoje já virou um arco-íris – bem fraquinho, quase não dá para se ver, mas que pelo menos não é a tempestade que era. Bom, como sempre gosto de salientar, aprendi muito no final de tudo… com os momentos bons que passei (os dias de sol), com os momentos ruins (a tempestade) e com o recomeço (o arco íris). Custei a aprender, mas aprendi. Acho que nunca é tarde para aprender com o passado, não é?

Bem como diz uma música da qual gosto muito e me lembraram da letra a pouco tempo:

“Vejo a sorte no futuro, não o fim do mundo. Nada é pra sempre, muito menos por acaso. Se nem sempre o planejado sai como o esperado, é só uma chance pra enxergar o outro lado.”

Faz sentido. :)

Imagem

Sabe quando te contam algo que você desejou nunca ouvir? A sensação é de choque. Um choque que te paraliza e só deixa o seu coração bater forte, socando seu peito com a maior força possível para que ainda te deixe viva.

Por um minuto eu pensei que eu fosse ser destruída alí. Meu coração queria fugir das informações que meu cérebro estava recebendo. Mas quando quem passou a informação para quem te contou, é alguém que você mal conhece, em quem você vai acreditar? Acreditar no primeiro condutor da mensagem? Acreditar na pessoa envolvida na história – que você ama e ela diz que te ama também?

Por quê, Deus, quando sempre está tudo tão “perfeito”, algo tem que vir pra estragar? O clima estava tão sereno, por quê do nada surgiu essa tempestade? Eu não estava carregando guarda-chuva comigo, nem capa de chuva. Me mantive alí na chuva, sentindo cada gotícula de água que escorria pelo meu rosto, junto às lágrimas.

Em quem eu tenho que confiar? O quê meus olhos não vêm, meu coração não pode sentir. Mas o que me contam e meu cérebro processa a mensagem, faz meu coração entrar em desespero e palpitar mortalmente no meu peito. Paro pra pensar agora de uma forma romântica… Será que meu coração bateu tão forte dessa forma pra que eu prestasse atenção nele?

Me perdoem, amigos. Mas eu vou seguir meu coração.
Quem vai ter o coração quebrado se algo der errado no caminho sou eu, não é? Então não se preocupem comigo, vocês não vão sentir nada se isso acontecer, eu prometo. O pior que pode acontecer se meu coração vier a se partir pela “100º vez”, é ele esfriar mais…

O que me resta é pensar positivo. Vou confiar no meu coração. Sou teimosa. Gosto dos desafios, por mais que eu tema as consequências deles. Vou na fé. Segurando na mão Dele e esperando confiante que Ele não a solte.

Não precisa escalar montanhas. Não precisa cruzar o oceano. Não precisa achar uma cura para tudo isso que te faz chorar. Não precisa alcançar as estrelas, quando a vida se torna escura, e quando o vento sopra na contra-mão. Você deve seguir seu coração. (…) Se você sente, você paga o preço.”