!

Eu fico indignada com você, homem, que não honra o seu sexo. Tem muito homem que se diz Homem sem ser. Aprendam a ser Homens de verdade. Sério… Tô muito fácil de me revoltar e querer abrir a boca para coisas que geralmente fico calada. Não sei se isso é bom ou ruim.

Eu acho que isso é resultado de eu ter escolhido ficar a maior parte dos meus 20 anos calada para muitas coisas que eu não concordava. Simplesmente não acho que vale a pena bater boca por besteira. Evito expor minha opinião diante de certas besteiras que me incomodam.

Muitas besteiras me incomodam. O lance é que eu fico calada. Mas será isso o certo? Será que eu devo ficar mesmo calada ou devo expor mais – me expor mais – o que eu acho sobre certas coisas? Não estou dizendo aqui que eu fico sem expor minha opinião sempre… Mas assuntos que considero bestas, me mantenho calada, para não provocar uma briga. Pois sei que se eu abrir a boca, vão sair farpas… (Seria isso temer o poder da minhas próprias palavras?)

Voltando sobre o assunto das primeiras duas linhas que escrevi. Homem de verdade, trata bem as mulheres. Cara, se tem uma moça querendo o seu bem, desejando te ver feliz, seja no mínimo legal e educado com a ela. Não seja indiferente e ridículo. Se você quiser ser o “homem” (com “h” mesmo, pois você não honra ser um homem com “H”). Se você for indiferente, ridículo, entre outras nomenclaturas que não tô com paciência pra falar, você pode achar que não, mas um dia você vai receber de volta tudo o que está emitindo para essa pessoa (não digo da mesma forma, mas na mesma intensidade, com certeza. E eu espero de verdade que isso realmente aconteça).

– Fim.

– Não há mais nada a dizer. Por hoje.

after the rain, the rainbow appears.

Depois de um sonho que tive, realizei que de qualquer forma temos que abandonar o passado. Sim, eu sei que todo mundo deve ser ciente disso, mas eu meio que nem liguei de deixar um “certo” passado para trás. Então depois desse sonho (que me trouxe uma sensação ruim e aflorou também minha insegurança naquele momento), resolvi deixar para trás o objeto que me fazia lembrar de um tempo bom e cheio de sol, que depois foi escurecido por um tempestade, mas que hoje já virou um arco-íris – bem fraquinho, quase não dá para se ver, mas que pelo menos não é a tempestade que era. Bom, como sempre gosto de salientar, aprendi muito no final de tudo… com os momentos bons que passei (os dias de sol), com os momentos ruins (a tempestade) e com o recomeço (o arco íris). Custei a aprender, mas aprendi. Acho que nunca é tarde para aprender com o passado, não é?

Bem como diz uma música da qual gosto muito e me lembraram da letra a pouco tempo:

“Vejo a sorte no futuro, não o fim do mundo. Nada é pra sempre, muito menos por acaso. Se nem sempre o planejado sai como o esperado, é só uma chance pra enxergar o outro lado.”

Faz sentido. :)

Imagem