Vamos falar de apego/desapego.

É, cara… Tenho tentado cada vez com mais força lidar com a prática do desapego. Eu sempre fui muito apegada às pessoas, mas eu nem sempre tive a consciência de que isso era de fato ruim pra mim, e se tornaria pior depois que eu tomasse consciência disso.

Viver assim, apegada, só te prende, sabe? E viver preso é um saco… Você meio que se torna “vítima culpada” disso tudo. “Vítima”, pois você sofre por cada milésimo desse apego e “culpado” por você meio que ter se deixado andar por esse caminho e pra resolver isso, só você pode mudar sua rota.

Tá, é difícil ter que mudar algo que é quase parte de sua essência, mas às vezes é demasiadamente necessário, e esse é meu caso. Necessito mudar isso em mim, pra ter uma vida mais saudável. E vou mudar.

Imagem

Mas, a gaiola é você
Se você não voa, a culpa é tua
Se isso fosse uma tevê
Eu já teria mudado o canal
Ou desligado o aparelho
E me atirado na rua

– Esse lance de você ser disponível demais para as pessoas não dá muito certo não, né?
– É, eu acho que não.
– Meio que você é desvalorizado pelas pessoas por causa disso, quando na verdade você deveria ser valorizado. ‘-‘
– Mas é… As pessoas são confusas/complicadas demais.
– Bom, eu sempre gosto de me mostrar presente na vida das pessoas que eu gosto, mas aí percebo que nem todo mundo que eu gosto se importa com essa minha presença. Pois tem na cabeça delas que eu sempre estarei alí, por isso não se preocupam.
– É. Precisa rever isso.
– Daí eu vejo que eu tenho que me afastar, pra saber qual é a daquela pessoa em relação à mim. Não acho normal alguém dizer que gosta muito de você, é 100% amor uma hora e depois, “FODA-SE”. Por favor, né? Não sou boneca. Outra coisa… Não quero que finjam pra mim ser algo que não são… Não estou vivendo em um filme, então eu não quero estar em uma conversa com um personagem. Só quero o que for real. Se não for pra ser real, melhor que seja o nada.

Liliane está offline.

dambo s2

Selvagens

Eu sei em quem confiar, de verdade.

Não, não acho que sou a mestra de conhecimento sobre todas as coisas da vida, como posso parecer ser ao escrever esse texto. Mas assim, me conhecendo bem e sendo uma pessoa que sei me auto julgar e sei quais são em maioria (pelo menos eu acho) quais são minhas qualidades e defeitos, posso ter alguma moral para falar abertamente de certas coisas. Sou uma pessoa muito consciente e reflexiva diante de minhas atitudes. Eu sei quando faço algo errado e quando faço algo certo. Modéstia a parte, me acho uma pessoa muito correta. “Anyway”, entenda como quiser…

ACHO que muitas pessoas não param para observar as pessoas ao seu redor e também não param para se observar, mas eu faço isso e acho que você que não faz, também deveria fazer. Nunca reparou que os estudiosos sobre o mundo selvagem dos animais ficam muito tempo observando os animais, como eles vivem, o que fazem, o comportamento de cada animal diante dos outros? Isso tudo pra tentar entender o que está ocorrendo alí. Eu faço isso, mas com as pessoas.

Me sinto bem e mal, ao ter isso dentro de mim, essa vontade de querer explorar silenciosamente cada pessoa ao ficar observando as atitudes dos que me rodeiam. Não esqueça que eu me auto observo também, então você não pode falar que eu tô querendo cuidar da vida dos outros. Na real, só quero entender as pessoas. Trabalho exaustivo, mas que me presenteou com grande conhecimento sobre como lidar com as pessoas – na maioria das vezes – para viver uma vida no mínimo saudável.

O motivo de eu achar que sei quem são as pessoas confiáveis ao meu redor, é porque essas pessoas provam isso pra mim sempre. Por exemplo, um amigo não vê você fazendo uma besteira e fica calado, mas se um “amigo” faz isso…

1. Ele é apenas um colega e achou que não tinha intimidade suficiente para chegar em você e “se meter” na situação.
2. Essa pessoa não é um amigo que se preze, pois se você está fazendo uma besteira e esse amigo não mexe um dedo para te alertar, me desculpe, viu. Mas você tá em mãos erradas.

Não há mais nada a dizer. Por hoje.

Imagem